Visualizações

146

Made in AMazônia

Nasci no maior Estado do Brasil, em extensão territorial, assim como, maior em área vegetada, com 86% de sua área preservada, e a que apresenta o maior rio em volume de água do mundo. Já foi o quarto Estado mais rico da federação, claro que, enquanto a economia, isso é variável, mas nem assim perde o encanto. O Estado apresenta inúmeras belezas naturais, porém nos dias atuais vem sofrendo pressão econômica e expandindo sua área de ocupação, por vezes de forma cruel, em detrimento da floresta. Falando em floresta, sempre escutei, que éramos vistos como uma tribo indígena, isolada, no meio do “mato”, o que para mim, seria ainda mais orgulho, senão fosse tão miscigenado o processo. Ademais, me questionei em inúmeras ocasiões se, essa distância com o Brasil – claro, porque muitas vezes parece não fazermos parte do Brasil – dificultaria recebermos informações, produtos etc. Que nada! Ainda a pouco citei termos sido o quarto Estado mais rico, isso lá em 2002. Manaus, por exemplo tem um custo de vida alto e mesmo assim vivemos tranquilamente, também, do chamado Polo industrial de Manaus, que em algum momento já foi de fato e de direito, a Zona Franca de Manaus, não arriscaria muito nessa tipificação hoje.

De qualquer forma, na década passada o município de Manaus tinha 98% do seu PIB advindo do setor secundário, o que não corresponde a década atual, já que entramos com tudo no setor terciário. Mesmo assim, esse setor, nos primeiros cinco meses do ano de 2020, faturou a marca de 36,96 bilhões de reais, vejo, portanto, inúmeras vantagens, mesmo o PIM, sendo alvo de embate político e econômico. Temos de tudo aqui e por muitas vezes, por sermos expostos como atrasados, me recordo de rir impacientemente, de “memes” que mostravam – como os brasileiros veem Manaus, e como nós somos de verdade. Assim, talvez seja sensato falar que o reconhecido Distrito Industrial, bairro criado para caminhar junto com a Zona Franca, hoje com 53 anos, abrigou e abriga empresas grandiosas no mercado nacional e internacional.

Somos imbatíveis na produção de componentes eletrônicos, polo de duas rodas, TV´s, entre outros, em sua maior parte, a produção voltada para o mercado brasileiro. Posso tranquilamente falar da força que o PIM tem e representa, além da sensação de que somos insubstituíveis. Claro que isso não depende apenas das oportunidades criadas por esse nicho, por isso um pouco de cuidado, dado a condição política que vivemos e as demandas dos outros Estados, por essa mesma condição. Somente sei, que isso talvez tenha contribuído para essa floresta esteja ainda intacta e o pão, presente, em muitas mesas do nosso município. É incrível ver a movimentação das rotas e do mar gente que entra e sai nas mudanças de turno e isso inclui os colaboradores desse projeto. Dos 75 estudos, que serão apresentados, 66 são de alunos de Engenharia de Produção e 09 de Engenharia Ambiental e recursos renováveis, do Centro Universitário Fametro, que por sinal andam de mãos dadas, tudo isso porque o PIM importa essa mão de obra do futuro, os Engenheiros que mudarão a percepção do mundo, um pelo processo produtivo mais eficiente e o outro pela efetivação de propostas sustentáveis. Afinal, é no mínimo criativo verificar a atuação das empresas em seus projetos que visam a sustentabilidade, e mais que isso, é acalentador nos darmos conta de que as empresas e seus engenheiros querem

e precisam de processos mais limpos, que gerem menos danos, que promovam melhorias ambientais, na produção e em tudo no que se refere ao seu entorno. E assim surgiu a ideia desse livro...

As análises que serão apresentadas mostrarão a forma e aplicação das ferramentas já conhecidas e divulgadas pela Engenharia de Produção. Teremos alguns temas que procuram sacramentar a informação que versam sobre: custos, já que esse é o foco da economia atual, diminuir esses passivos no processo produtivo; logística, sendo engraçado a sugestão desse tópico aos meus alunos, visto que, parece contraditório estarmos longe de tanta coisa e mesmo assim sermos reconhecidos como polo industrial; máquinas e operacional, abarcando análises de produção, assim como, a aplicação de ferramentas para resultados mais concretos; ergonomia, que versa sobre o homem, e aqui abro um adendo, onde vejo, que há muitos que pensam que o homem está sendo deixado de lado na área de produção, pois digo ser o contrário, a condição do mercado atual está provocando ideias e de alguma forma forçando as novas funções; a inovação tecnológica, que vem corroborando com todas essas novas sugestões e ainda fazendo fluir o uso de novos conceitos e ajuizamentos, recaindo ainda sobre o desempenho, que consegue descrever e apresentar melhores seus parâmetros e efeitos; a gestão, que hoje tornou-se foco para gerenciar recursos e pessoas, que são complementados pelo planejamento e controle de produção, que faz alusão a uma produção sistematizada, além do 5s e lean manufacturing filosofias administrativas da produção. Ademais incluiu-se os tópicos sobre meio ambiente, que inclui informações que auxiliem esse conhecimento.

Mesmo que os elementos e as ferramentas, aqui demonstrados, sejam sinônimos ou complementos, o que importa é saber que a Engenharia de produção e Engenharia ambiental estão crescendo como formação profissional, e que os profissionais por elas aqui gerados, representam instrumentos fundamentais para o sucesso!

Fabiana Rocha Pinto

Made in AMazônia

DOI: 10.22533/at.ed.530210104

ISBN: 978-65-5706-953-0

Palavras chave: 1. Engenharia de Produção. 2. Amazônia. I. Pinto, Fabiana Rocha (Organizadora). II. Título.

Ano: 2021

Autores

  • AGNALDO DE SOUZA DINIZ
  • AGNER GUSTAVO SILVA OLIVEIRA
  • AIRTON DE CASTRO QUEIROZ
  • AIXA BRAGA LOPES
  • ALESSANDRA DA SILVA DE NONATO
  • ALEXANDRE DAVID DA SILVA
  • AMANDA DO NASCIMENTO MOREIRA
  • AMANDA MOURÃO SANTOS
  • AMILCAR BARILE NETO
  • ANA GABRIELA MENDES
  • ANA MARCIA TABOZA RAMOS
  • ANDERSON DA COSTA PEREIRA
  • ANTONIA SILVA DOS ANJOS
  • ANTÔNIO KLHISMAN FRANCO ARAÚJO
  • ANTONIO MARCOS DA SILVA PENA
  • ASSUNÇÃO MACIEL RUFINO
  • ATHAN BRAYON DE ARAÚJO TORRES
  • BIANEI DOS SANTOS RODRIGUES
  • BRUNO FERREIRA DE MOURA
  • DANIELLEN CRISTINA DOS REIS BARBOSA CARBAJAL
  • DAVID BARBOSA DE ALENCAR
  • DENILSON FERNANDES VITAL
  • DIEGO CASCAIS DE SOUZA
  • EDUARDO ANGELIN ALMEIDA
  • ELISANGELA VITOR DOS SANTOS
  • ERLON LIMA MENEZES
  • EWERTON PEREIRA DE AZEVEDO
  • FABIANA ROCHA PINTO
  • FABIANO DA SILVA DE FRANÇA
  • FILIPHE DA SILVA OLIVEIRA
  • FLÁVIA TEIXEIRA DUDA DOS SANTOS
  • GABRIEL CAVALCANTE RICARDO
  • GABRIEL JEAN DOS SANTOS SILVA
  • GABRIELLE CARNEIRO DA SILVA
  • GIZELE ZAIRA MELGUEIROS LOPES DA SILVA
  • HELDER BENILTON MARTINS DOS SANTOS
  • INHANARA HOLLENKA VIEIRA DAMASCENA
  • ÍTALO JOSÉ BRUCE DA COSTA
  • IVAN SILVEIRA TEIXEIRA
  • JEFFERSON FARIAS LEITE
  • JOCINALDO PESSÔA GARCIA
  • JOICELENE DE OLIVEIRA RODRIGUES IGLESIAS
  • JULIANA OLIVEIRA DO NASCIMENTO
  • JULIANNA FERNANDES BORGES
  • KARLA JOSIANE DE LIMA BAIA
  • KATARINA DA SILVA COUTO
  • KEDSON MARTINS MARÇAL
  • KELSON SANTOS DA SILVA
  • LARA CHAYANE ABREU BROTAS
  • LINA REIS BOTELHO
  • LINA REIS BOTELHO
  • LUCAS AVNERS SILVA FEIO
  • LUCAS VALENTIM E SILVA
  • MÁRCIO LUCENA CÂMARA
  • MARCOS WILLYAN SOUZA MAIA1
  • MARIA BEATRIZ COSTA DE SOUZA
  • MARIA FRANCISCA PIMENTEL DUQUE
  • MAYANA DE OLIVEIRA REINALDO
  • MICHAEL RAPHAEL SOARES VIEIRA
  • MIRTHIS FARIAS REIS
  • NAÍSA LIMA DE SOUZA NETA
  • NILTON FERREIRA RIBEIRO
  • PABLO CEZAR FERREIRA DE LIMA
  • PATRICIA COSTA
  • PEDRO HENRIQUE MARIOSA
  • RENATA DA SILVA PEREIRA
  • RITA DE CASSIA FERREIRA XAVIER
  • ROBERTO DE SOUZA E SOUZA
  • RODRIGO
  • ROSIETH DAMIÃO NUNES
  • SAMYA AIRA ELOI BOTELHO
  • SANDRO DA SILVA FELIPE
  • SARAH MARJURYE DA SILVA COELHO
  • SÉRGIO AUGUSTO MOUTINHO LOBO
  • SHAENE SERRÃO BEZERRA
  • SUZY JANE COSTA RODRIGUES
  • THAIS LAVINIA MESQUITA DE AQUINO
  • THIAGO LUCATELLE SOUZA DE SOUZA
  • VALKIRIA SANTOS DE PAULA
  • VICTOR HUGO RODRIGUES FERREIRA DA SILVA

Artigos