Segurança do Trabalho na Pesca Artesanal da Região do Salgado Paraense

Este livro objetiva mostrar a realidade dos pescadores da região do Salgado no estado do Pará, a base foram trabalhos realizados no município de Magalhães Barata. No Primeiro trabalho foi relatado a exposição ao ruído do motor do barco, fazendo uma caracterização da pesca artesanal, e uma análise de salvatagem para prevenção de eventuais acidentes e riscos que possam acontecer na vida do pescador artesanal do distrito de Cafezal, no mesmo município. A metodologia trata-se de um estudo observacional, com abordagem quantitativa e qualitativa, de caráter descritivo. Constituiu-se na aplicação de entrevistas a trinta pescadores, abordando o perfil socioeconômico, e analise da existência do material de salvatagem, e os tipos de riscos e acidentes ocasionados na pesca. Além de ter sido usado uma ferramenta de dosimetro para avaliar a quantidade de decibéis emitidos pelo motor do barco em apenas uma hora. Os resultados mostram que a caracterização socioeconômica dos pescadores ainda é de baixo grau de escolaridade e baixo nível de renda. A principal fonte de renda para os pescadores é a pesca, utilizando o principal meio de transporte a canoa motorizada(rabeta), sendo a rede de emalhe o apetrecho de pesca mais utilizado.

A análise de salvatagem mostrou que a maioria não possui qualquer equipamento, como colete, boia, bote, extintor, entre outros. Além de vários acidentes identificados, destacamos o acidente de escalpelamento em que muitos pescadores são vitimas, sem atentar para a importância do uso dos Equipamentos de Proteção Individuais (EPI’s) que iriam prevenir, evitar, e sanar este tipo de acidente. O ruído do motor do barco mostrou que a exposição dos pescadores aos níveis de pressão sonora média estavam acima dos níveis de tolerância 85 dBA (decibéis) estabelecido pela norma NR15. Este fato mostra alto risco de perda auditiva dos pescadores com o passar do tempo. Para avaliação dos riscos na pesca, todos os tipos de riscos como físico, químico, biológico, ergonômico e mecânico estão presentes na vida do pescador artesanal.

O segundo trabalho teve por objetivo verificar as condições de saúde dos trabalhadores da pesca artesanal e a forma que eles veem a segurança do trabalho como alternativa de melhoria da qualidade de vida. Foram realizadas coletas de dados através de questionários com 36 perguntas em entrevistas aplicadas nos meses de fevereiro e março, onde foi feito um levantamento sobre dados socioeconômicos, acidentes de trabalho, uso de EPI, fatores psicossociais, entre outros. Durante as entrevistas os pescadores revelaram que sentem dores em várias partes do corpo, principalmente na região lombar da coluna, devido aos esforços físicos intensos como levantamento e transporte manual de peso, postura inadequada, jornadas de trabalho longas, monitoramento e repetitividade, sendo que os mesmos se encontram muito expostos a acidentes e doenças ocupacionais, os trabalhadores não tiveram nenhum treinamento sobre prevenção de acidentes e uso de equipamentos de proteção, e por isso na localidade não é dada a devida importância ao assunto, portanto há uma necessidade de campanhas e incentivos educativos como uma forma de prevenção para evitar acidentes futuros assim contribuindo para a melhoria da qualidade de vida desses profissionais.

Segurança do Trabalho na Pesca Artesanal da Região do Salgado Paraense

DOI: 10.22533/at.ed.958201609

ISBN: 978-65-5706-396-5

Palavras chave: 1. Pescadores – Pará. 2. Barcos de pesca – Medidas de segurança. 3. Segurança do trabalho. I. Pinheiro, Klewton Adriano Oliveira. II. Carneiro, Francimary da Silva. III. Moura, Álvaro Lima De. IV. Santos, Elizangela Moura dos. V. Souza, Johnatan Wallace Alves de. VI. D’Arace, Larissa Martins Barbosa. VII. Silva, Eliane dos Santos da. VIII. Frazão, Alex da Silva.

Ano: 2020

Autores

  • FRANCIMARY DA SILVA CARNEIRO