Visualizações

13

UMA PONTE ENTRE O PSÍQUICO E O SOMÁTICO: O PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO COMO POSSIBILITADOR DA PROMOÇÃO DE SAÚDE

Este trabalho visa compreender como a humanização pode contribuir na promoção da saúde de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) no contexto da saúde coletiva, com base no objetivo número três dos “17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)” da Organização das Nações Unidas em sua Agenda 2030, “Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todas e todos, em todas as idades” (ONU, 2015). Percebe-se que escutar mais do que a doença é um ato de humanização que pode criar possibilidades para uma promoção integral de saúde. Isso porque, ademais da promoção de saúde, por meio de práticas humanizadoras, cabe enfatizar a importância da garantia do acesso à saúde a todo e qualquer sujeito, independentemente do fator. Com a criação do Sistema Único de Saúde (SUS) e seus princípios norteadores – equidade, universalidade e integralidade (BRASIL, 2013) – é preciso, necessariamente, pensar na humanização da saúde pública. E, para isso, pensar o PNH (2005) enquanto política pública de saúde que fortalece o processo de humanização no sentido de proteger a continuidade das práticas para além de uma política de governo que corre o risco de se perder conforme a ideologia política daqueles que estão no poder, o que favorece a construção de uma prática sólida e em permanente evolução. Portanto faz-se necessário uma prática mais humanizada dentro dos serviços públicos através das políticas públicas aqui mencionadas para que, desse modo, haja maior promoção de saúde considerando o sujeito em sua integralidade.

UMA PONTE ENTRE O PSÍQUICO E O SOMÁTICO: O PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO COMO POSSIBILITADOR DA PROMOÇÃO DE SAÚDE

DOI: 10.22533/at.ed.30321020926

Palavras chave: Humanização; SUS; Psíquico; Físico; Integralidade.

Keywords: Humanization; SUS; Psychic; Physic; Integrality.

Abstract:

This paper aim to comprehend how humanization can contribute in health promotion for the Unique Health System (SUS) users in the context of collective health, based on the third objective of “17 Sustainable Development Objectives (SDO)” from the United Nations in its calendar of 2030, “Ensure a healthy life and promote well-being for all the people, in all ages” (UN, 2015). It has been realized that listening to the human above their sickness is an act of humanization which can create possibilities to a full health promotion. In this regard, above health promotion, through humanizing practices, it should be emphasized the importance of health access guarantee for all individuals, regardless of factors. Considering the creation of Unique Health System (SUS) and its guiding principles – equity, universality and integrality (BRASIL, 2013) – It is necessary, thinking about public health’s humanization. To this end, it has been relevant thinking about PNH (2005) as a health public politic which empowers the humanization process with the intention of protecting the practices continuity apart from a government politic that risks to end according the politics ideas from those who are in the power, what benefits the construction of a solid practice that is constantly in evolution. Therefore, it has been necessary a most humanized practice inside public services through public politics which were mentioned previously, so, there can be a better health promotion considering an individual on its integrality. 

Autores

  • Carline Engel Krein
  • Valeska Schwarz Kucharski
  • Luciane Miranda
  • Bruna Sipp Rodrigues
  • Tatiane Ströher Renz
  • Simoni Antunes Fernandes