Visualizações

4

A Devolução das Crianças e Adolescentes Institucionalizadas e um Diálogo com a Psicologia.

A devolução de crianças e adolescentes institucionalizados é um tema delicado e complexo que, embora traga em seu bojo causas e motivações, supera os aparatos legais, merecendo atenção não só da área do Direito, mas também da Psicologia no que tange às relações afetivas em questão. O presente trabalho tem por objetivo abordar as questões emocionais em relação às crianças que se encontram no sistema de abrigamento quando de sua devolução, após o regular processo de adoção e convivência com seus pais adotivos. Pretende-se discorrer sobre as justificativas que levam as partes envolvidas (crianças e pais) ao fracasso da adoção, discutir o significado desse segundo abandono para a criança e os efeitos que poderão influenciar em seu desenvolvimento. Além da questão em si, serão revisitados o modelo institucional como alternativa do Estado para acolhimento dessas crianças, bem como os dispositivos legais vigentes, como medidas protetivas, para garantia de seu desenvolvimento integral. Por fim, esse trabalho pretende investigar a contribuição da Psicologia para com os adotantes e adotados, levando em consideração as expectativas e necessidades de ambos, de forma a amenizar o sofrimento e possíveis danos. Para alcançar esses objetivos, buscou-se recorrer ao estudo qualitativo por meio de pesquisa e revisão bibliográfica sobre o tema no período de 2018 a 2020. Os resultados desse trabalho possibilitaram identificar que a criança ou adolescente, quando devolvidos, sofrem impactos emocionais tais como: tristeza, baixa autoestima, abalos nas relações interpessoais e dificuldades em estabelecer vínculos afetivos.

A Devolução das Crianças e Adolescentes Institucionalizadas e um Diálogo com a Psicologia.

DOI: 10.22533/at.ed.30321020925

Palavras chave: Abandono. Abrigamento. Adoção. Crianças. Devolução.

Keywords: Abandonment. Housing. Adoption. Children. Devolution.

Abstract:

The return of institutionalized children and adolescents is a delicate and complex topic that, although it brings causes and motivations within it, surpasses the legal apparatus, deserving attention not only from the area of ​​Law, but also from Psychology with regard to the affective relationships in question. The present work aims to address the emotional issues in relation to children who are in the shelter system when they are returned, after the regular process of adoption and living with their adoptive parents. It is intended to discuss the justifications that lead the parties involved (children and parents) to the failure of the adoption, to discuss the meaning of this second abandonment for the child and the effects that may influence its development. In addition to the question itself, the institutional model as an alternative for the State to host these children will be revisited, as well as the legal provisions in force, such as protective measures, to guarantee their integral development. Finally, this work intends to investigate the contribution of Psychology to the adopters and adopted, taking into account the expectations and needs of both, in order to alleviate the suffering and possible damages. To achieve these objectives, we sought to use a qualitative study through research and bibliographic review on the theme from 2018 to 2020. The results of this work made it possible to identify that the child or adolescent, when returned, suffers emotional impacts such as: sadness, low self-esteem, shaking in interpersonal relationships and difficulties in establishing affective bonds. 

Autores

  • Aldenise Barreto de Albuquerque Silva