Visualizações

24

CONTOS DE FADAS: VAMOS JOGAR?

Resumo  Introdução: É sabido que a psicanálise reconhece a importância dos contos de fadas na saúde mental infantil. Os contos de fadas permitem que as crianças se expandam emocionalmente, ajudando-as a compreender a realidade, ao incluir personagens através das quais a criança pode facilmente projetar-se e exteriorizar os seus processos mentais de um forma controlada e compreensiva. Este estudo visa compreender se os contos de fadas, na forma de jogos de tabuleiro, possuem utilidade clínica. Metodologia: Foram criados quatro jogos baseados nos contos de fadas e posteriormente inquiridos 82 psicólogos de ambos os géneros, após utilizarem esses jogos com pelo menos uma criança. Resultados: Os resultados mostraram que a totalidade da amostra já recorreu à técnica dos jogos dos contos de fadas, sendo que a grande maioria afirma que esta metodologia é interessante e útil em termos de prática clínica. Discussão e Conclusão: Os quatro jogos criados com base nos contos de fadas têm como objetivo facilitar a psicoterapia infantil. Assim, e tendo em conta os resultados deste estudo, esta metodologia apresenta-se como uma técnica de relacionamento terapêutico, dado que representa uma plataforma através da qual a criança se desinibe e se expressa, permitindo trabalhar o seu mundo interno.

CONTOS DE FADAS: VAMOS JOGAR?

DOI: 10.22533/at.ed.3032102091

Palavras chave: Palavras-chave: Contos de Fadas; Jogos Terapêuticos; Psicoterapia Infantil.

Keywords: Keywords: Fairy Tale; Therapeutic Games; Child Psychotherapy

Abstract:

Abstract Introduction: It is well known that psychoanalysis recognizes the importance of fairy tales in children’s mental health. Fairy tales allows the children to expand emotionally, helping them to understand reality by including characters through which the child can easily project and externalize their mental processes in a controlled and comprehensive way. This study aims to understand whether fairy tales, in the form of board games, have clinical utility.   Methodology: Four games were created based on fairy tales and 82 psychologists of both genders were later interviewed, after using these games with at least one child.   Results: The results showed that the entire sample has already resorted to the technique of fairy tale games, with the vast majority claiming that this methodology is interesting and useful in terms of clinical practice.   Discussion and Conclusion: The four games created based on fairy tales are intended to facilitate child psychotherapy. Taking into consideration, the results of this study, this methodology is presented as being a technique of therapeutic relationship, as it represents a platform through which a child is uninhibited and expresses himself, allowing him to work on his internal world.

Autores

  • Paula Isabel Gonçalves dos Santos
  • Marta Silva Coelho