Visualizações

7

O PSICODIAGNÓSTICO E SUAS CONTRIBUIÇÕES DIANTE DA QUEIXA DE TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM

O transtorno de aprendizagem (DSM-V), é compreendido como um transtorno decorrente de fatores genéticos, ambientais e epigenéticos o que ocasiona intercorrências no funcionamento do cérebro o incapacitando de processar ou perceber as informações, tanto verbais como não-verbais. Nos casos de transtorno de aprendizagem é preciso levar em conta que a aprendizagem envolve muitas variáveis e aspectos, como questões sociais, biológicas, cognitivas, entre outras. O primeiro viés a se levar em conta no que tange a Dificuldade de Aprendizagem é a importância da multidisciplinaridade integrada, ou seja, quando nos referimos à Dificuldade de Aprendizagem, estamos falando sobre um ser que possui uma maneira diferente de aprender, se trata de um obstáculo, uma barreira, um sintoma, que pode ser de origem tanto cultural quanto cognitiva ou até mesmo emocional. Nesse contexto, é essencial que o diagnóstico seja feito o quanto antes, uma vez que há consequências a longo prazo. Entretanto, diagnosticar alguém é algo secundário, caso se pense que, ao identificar as forças e as fraquezas do avaliando, estamos tentando entender o que se passa com ele nesse momento de sua vida e de quais recursos se dispõe para que seja possível formular recomendações terapêuticas adequadas, mesmo quando é detectada a presença de algum transtorno mental, o objetivo maior do psicodiagnóstico é encaminhar o cliente para o tratamento mais adequado.  

O PSICODIAGNÓSTICO E SUAS CONTRIBUIÇÕES DIANTE DA QUEIXA DE TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM

DOI: 10.22533/at.ed.30321020915

Palavras chave: transtorno de aprendizagem, psicodiagnóstico, aprendizagem, avaliação psicológica.

Keywords: learning disorder, psychodiagnosis, learning, psychological assessment.

Abstract:

Learning disorder (DSM-V) is understood as a disorder resulting from genetic, environmental and epigenetic factors, which causes complications in the functioning of the brain, making it incapable of processing or perceiving information, both verbal and non-verbal. In cases of learning disorder, it is necessary to take into account that learning involves many variables and aspects, such as social, biological, cognitive issues, among others. The first bias to take into account when it comes to Learning Difficulty is the importance of integrated multidisciplinary, that is, when we refer to Learning Difficulty, we are talking about a being who has a different way of learning, it is a an obstacle, a barrier, a symptom, which can be of cultural, cognitive or even emotional origin. In this context, it is essential that the diagnosis be made as soon as possible, since there are long-term consequences. However, diagnosing someone is secondary, if you think that, by identifying the strengths and weaknesses of the person being evaluated, we are trying to understand what is happening to him at this point in his life and what resources are available so that it is possible to formulate therapeutic recommendations. appropriate, even when the presence of a mental disorder is detected, the main objective of psychodiagnosis is to refer the client to the most appropriate treatment. 

Autores

  • Mara Eduarda Sousa de Alencar
  • Ana Raquel Gomes Ferreira
  • Lúcia Fernanda Costa Castro