Visualizações

4

Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviço de Saúde em Unidades de um Hospital Particular da Cidade de Manaus, AM

Os resíduos sólidos de serviço de saúde - RSSS são classificados de acordo com seu grau de periculosidade, sendo que, todo e qualquer material que entre em contato com resíduos biológicos, são considerados materiais infecciosos. Portanto, o resíduo hospitalar é considerado perigoso e com grande potencial de risco, pois durante o processo de segregação e coleta, ocorre o maior número de infecção por contato com agentes patogênicos. Nesta pesquisa foram analisados e comparados, por meio de pesagem, o quantitativo de RSSS em duas unidades hospitalares da rede privada (UH1 e UH2) da cidade de Manaus, AM, nos anos de 2016 e 2017. Em 2016 a geração total dos resíduos foi de 436,66 t.ano-1 e em 2017, 413,05 t.ano-1. Sendo que a delimitação adotada foi de analisar somente os resíduos comuns, biológicos, perfuro cortantes, papelão e hemoderivado, não seguindo sua classificação descrita na RDC n° 306/ 2004 (Grupo A, B, C, D e E), explicado pelas pesagens separadas. Sendo assim, em 2016 a UH1 gerou mais resíduo comum e biológico com 107,18 e 101,99 t.ano-1. Em 2017 apresentou um decréscimo com 92,80 e 83,45 t.ano-1 respectivamente. Já a UH2 em 2016 gerou 95,16 e 86,05 t.ano-1 e em 2017 aumentou para 101.34 e 89,87 t.ano-1. No ano de 2016 o grupo D foi o maior gerador de resíduos com 46% e em 2017 apresentou 47% do total. Em 2017 a UH1 decidiu aplicar um sistema de reaproveitamento de folhas A4 o que decresceu em 14% sua geração de resíduos no mesmo ano. Os resultados deste estudo mostram a importância da capacitação dos profissionais da área da saúde quanto a correta segregação dos resíduos hospitalares, a conscientização quanto ao reaproveitamento e os cuidados necessários para uma destinação adequada, visando uma redução na geração de resíduos e valores pagos para uma destinação final.

Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviço de Saúde em Unidades de um Hospital Particular da Cidade de Manaus, AM

DOI: 10.22533/at.ed.53021010474

Palavras chave: Lixo Hospitalar, Geração de Resíduos, Gestão Ambiental

Keywords: Hospital Waste, Waste Generation, Environmental Management

Abstract:

Healthcare solid waste – SSR is classified according to its degree of dangerousness, and any and all material that comes into contact with biological waste is considered infectious materials. Therefore, hospital waste is considered dangerous and with great risk potential because during the process of segregation and collection, the highest number of infection by contact with pathogens occurs. In this research, the number of SSRs in two private hospital units (UH1 and UH2) in the city of Manaus, AM, in 2016 and 2017 was emanated and compared through weighing. In 2016 the total generation of waste was 436,66 t.ano-1 and in 2017 413,05 t.year-1. A delimitation adopted was to analyze only the common residues, biological, sharp, cardboard and blood products, not following this detailed classification in RDC n° 306/ 2004 (Group A, B, C, D and E), explained by the separate weighing. Thus, in 2016 UH1 generated more common and biological residue with 107,18 and 101.99 t.year-1. In 2017 it decreased with 92.80 and 83.45 t.year-1 respectively. UH2 in 2016 generated 95.16 and 86.05 t.year-1 and in 2017 increased to 101.34 and 89.87 t.year-1. In 2016, group D was the largest waste generator with 46% and in 2017 47% of the total was presented. In 2017 UH1 decided to apply a system of reuse of A4 leaves so that its waste generation decreased by 14% in the same year. The results of this study show the importance of training health professionals paid for the correct segregation of hospital waste, awareness of reuse and treated care for an adequate destination, reduction in waste generation and values for a final destination.

Autores

  • Naísa Lima de Souza Neta
  • Fabiana Rocha Pinto