Visualizações

4

SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO E O EFEITO TANATOLÓGICO DE UMA MÁQUINA DE PRODUÇÃO DE MORTES

O artigo analisa a temática da banalização da morte no interior das prisões brasileiras, concebidas como verdadeiros campos, no âmbito dos quais a exceção se transforma em regra, viabilizando a produção de morte impune dos sujeitos encarcerados. Nesse sentido, as penitenciárias brasileiras acabam se transformando em locais nos quais os dispositivos de controle são levados até a última consequência. O estudo busca responder ao seguinte problema: o Estado brasileiro se utiliza do campo biopolítico do sistema prisional para promover o exaurimento de vidas nuas (descartáveis)? O método empregado na investigação é o qualitativo, com técnica de pesquisa bibliográfica. O resultado obtido indica que em 5 (cinco) anos o sistema prisional brasileiro obteve 3.470 presos mortos, considerando óbitos criminais, óbitos de causas suspeitas e óbitos causados por suicídios. Verifica-se, assim, que o Estado brasileiro promove o descarte tanatopolítico de pessoas sob sua custódia, no interior de campos prisionais.  

SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO E O EFEITO TANATOLÓGICO DE UMA MÁQUINA DE PRODUÇÃO DE MORTES

DOI: 10.22533/at.ed.70321120214

Palavras chave: Biopolítica. Necropolítica. Campo. Prisões.

Keywords: Biopolitics. Necropolitics. Field. Prisons.

Abstract:

The article analyzes the theme of the trivialization of death within Brazilian prisons, conceived as true camps, within which the exception becomes a rule, enabling the production of unpunished death for incarcerated subjects. In this sense, Brazilian prisons end up becoming places where control devices are taken to the last consequence. The study seeks to answer the following problem: does the Brazilian State use the biopolitical field of the prison system to promote the exhaustion of disposable naked lives? The method used in the investigation is the qualitative one, with bibliographic research technique. The result obtained indicates that in 5 (five) years the Brazilian prison system had 3,470 dead prisoners, considering criminal deaths, deaths from suspected causes and deaths caused by suicides. Thus, it appears that the Brazilian State promotes the Thanatopolitical disposal of people in its custody, inside prison camps.

Autores

  • Cleber Freitas do Prado