Visualizações

26

A LEPTINA E O PROBLEMA DA SACIEDADE EM INDIVÍDUOS OBESOS

A obesidade é uma doença de origem multifatorial e essas causalidades dificultam seu tratamento. O desequilíbrio da homeostase energética está relacionado com diversos fatores e sabe-se que um deles é o hormônio leptina sintetizado, em maior parte, no tecido adiposo e que quimicamente transmite ao hipotálamo o comando para a diminuição da ingestão alimentar e o aumento do gasto de energia. O objetivo é analisar a fisiopatologia que envolve o funcionamento do hormônio leptina em indivíduos obesos. Realizou-se uma revisão integrativa da literatura contemplando artigos disponíveis em inglês, espanhol e português nas bases de dados SciELO e ScienceDirect, usando como descritores: leptina, saciedade e apetite. A pesquisa foi realizada no período de novembro de 2020. A amostra final representa 8 artigos que foram usados como base. Quando presente na circulação sanguínea a leptina terá seus efeitos sobre o peso corpóreo ao se ligar com seu receptor expresso no sistema nervoso central, especialmente na região do núcleo arqueado do hipotálamo, onde vai inibir a síntese e/ou secreção de neurotransmissores orexígenos e estimular o catabolismo. Na maioria das vezes indivíduos obesos têm concentrações séricas desse hormônio altas, porém não funcionam corretamente por conta da baixa responsividade que pode ser consequência de receptores defeituosos, anormalidades na secreção e/ou a ligação da leptina com triglicerídeos que impede a passagem pela barreira hematoliquórica, resultando em uma pequena ação fisiológica, sendo que uma rara parcela possui mutação do gene do receptor da leptina e/ou da leptina, nesse último caso o uso da leptina recombinante gera uma redução de peso drástica. A leptina é secretada em proporção a massa adiposa, indicando que obesos a produzem em excesso o que desencadeia uma resistência à leptina e não sinalização fisiológica correta, existe um funcionamento complexo dos sistemas metabólicos regulatórios que dificultam a redução de peso.

A LEPTINA E O PROBLEMA DA SACIEDADE EM INDIVÍDUOS OBESOS

DOI: 10.22533/at.ed.0832102021

Palavras chave: Leptina, Saciedade, Obesidade

Keywords: Leptin. Satiety. Obesity.

Abstract:

Obesity is a disease of multifactorial origin, and these causalities make it difficult to treat. The imbalance of energy homeostasis is related to several factors, and it is known that one of them is the hormone leptin synthesized, mostly, in adipose tissue, which chemically communicate to the hypothalamus the command to decrease food intake and increase the expenditure of energy. This work aims to analyze the pathophysiology involving the leptin hormone functioning in obese individuals. It was performed an integrative literature review, covering articles available in English, Spanish and Portuguese in the SciELO and ScienceDirect databases, using as descriptors: leptin, satiety and appetite. The survey was conducted in the period of November 2020. The final sample represents 8 articles that were used as a basis. When it is present in the bloodstream, leptin will have its effects on the body weight when it binds with its receptor expressed in the central nervous system, especially in the region of the hypothalamus infundibular nucleus, where it will inhibit the synthesis and / or secretion of orexigenic neurotransmitters, stimulating the catabolism. Mostly, obese individuals have a high serum concentrations of this hormone; however, they do not work properly due to the low responsiveness which can be a consequence of defective receptors, abnormalities in secretion and / or the binding of leptin to triglycerides that prevents the passage through the blood-brain barrier, resulting in a small physiological action, and a rare pars of the individuals has a mutation of the leptin and / or leptin receptor gene; in the latter case the use of recombinant leptin generates a drastic weight reduction. Leptin is secreted in proportion to the adipose mass, indicating that obese people produce it excessively, which triggers leptin resistance but not a correct physiological signaling. There is a complex functioning of the regulatory metabolic systems that muddle weight reduction.

Autores

  • Ana Clara Militão Sales
  • Ana Clara Lacerda Cervantes de Carvalho
  • Victor Pinheiro Gomes e Albuquerque
  • Kariny Amaro Bezerra
  • Luana Lima Araújo
  • Valeska dos Santos Vieira
  • Larissa Arlinda Fernandes
  • Paula Karina Silva de Freitas
  • Francisco Jacinto Silva
  • Maria Jamile da Silva Feitosa
  • Lais Ramalho de Luna