Visualizações

28

AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTIOXIDANTE E CITOTÓXICA DO EXTRATO HEXÂNICO DAS FOLHAS DE Sideroxylon obtusifolium (ROEM. & SCHULT.) T.D. PENN

A Sideroxylon obtusifolium, conhecida popularmente como “quixabeira”, é uma espécie nativa das regiões do Cerrado brasileiro, mas também é encontrada no bioma Caatinga. A casca dessa espécie é muito utilizada na medicina popular para o tratamento de dor e inflamação. No entanto, não há muitos estudos ou relatos sobre a utilização de outras partes da planta. Neste contexto, o objetivo desse trabalho foi avaliar a atividade antioxidante e citotóxica do extrato hexânico das folhas de S. obtusifolium (EHSo). A prospecção fitoquímica do EHSo foi realizada por cromatografia em camada delgada (CCD). A determinação da atividade antioxidante in vitro do EHSo foi avaliada pelos métodos de sequestro dos radicais livres DPPH e ABTS, fosfomolibdênio e eliminação de radicais superóxido (SOD). A citotoxicidade do extrato foi avaliada pelo ensaio colorimétrico de MTT (3-(4,5- dimethylthiazol-2-yl)-2,5-diphenyltetrazolium bromide) frente à linhagem de fibroblastos murinos (L929). A análise fitoquímica identificou taninos hidrolisáveis, flavonoides, triterpenos, esteroides, mono e sesquiterpenos como os principais metabólitos presentes no EHSo. Nos testes antioxidantes, o extrato hexânico apresentou atividade significativa, com concentração mínima capaz de inibir 50% do radical DPPH (CI 50 ) de 605,86± 0,02 µg/mL e de 1.136,27± 0,01 µg/mL para o radical ABTS. Pelo método do fosfomolibdênio, a CI 50 foi de 582,12± 0,02 µg/mL, enquanto que pelo ensaio de eliminação de radicais superóxido foi de 791,91± 0,03 µg/mL. No ensaio citotóxico, o EHSo diminuiu a viabilidade celular dos fibroblastos em todas as concentrações testadas (0,78 a 50 µg/mL). Estes dados indicam que o extrato hexânico de S. obtusifolium apresentou uma relevante atividade antioxidante pelos métodos testados, podendo estar associada à presença de compostos fenólicos em sua composição, além de ser citotóxico frente à linhagem de fibroblastos L929.

AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTIOXIDANTE E CITOTÓXICA DO EXTRATO HEXÂNICO DAS FOLHAS DE Sideroxylon obtusifolium (ROEM. & SCHULT.) T.D. PENN

DOI: 10.22533/at.ed.6482020119

Palavras chave: Quixabeira. Radicais livres. Viabilidade celular.

Keywords: Quixabeira. Free radicals. Cell viability.

Abstract:

Sideroxylon obtusifolium, popularly known as “quixabeira”, is a native species of the Brazilian Cerrado regions, but is also found in the Caatinga biome. The bark of this species is widely used in folk medicine to treat pain and inflammation. However, there are not many studies or reports on the use of other parts of the plant. In this context, this work’s goal was to evaluate the antioxidant and cytotoxic activity of the hexanic extract of the leaves of S. obtusifolium (EHSo). The phytochemical prospecting of EHSo was performed by thin layer chromatography (CCD). The determination of the antioxidant activity in vitro of EHSo was evaluated by the methods of scavenging free  radicals DPPH and ABTS, phosphomolibdenum and elimination of superoxide radicals (SOD). The cytotoxicity of the extract was evaluated by the MTT colorimetric assay (3-(4,5-dimethylthiazol-2-yl)-2,5-diphenyltetrazolium bromide) against the murine fibroblast line (L929). Phytochemical analysis identified hydrolyzed tannins, flavonoids, triterpenes, steroids, mono and sesquiterpenes as the main metabolites present in EHSo. In the antioxidant tests, the hexane extract showed a minimum concentration capable of inhibiting 50% of the DPPH radical (lC 50 ) of 605.86 ± 0.02 µg/mL and 1,136.27 ± 0.01 µg/mL for the ABTS radical. By the phosphomolybdenum method, the lC 50 was 582.12 ± 0.02 µg/mL, whereas by the superoxide radical elimination test it was 791.91 ± 0.03 µg/mL. In the cytotoxic assay, EHSo decreased the cell viability of fibroblasts at all concentrations tested (0.78 to 50 µg/mL). These data indicate that the hexanic extract of S. obtusifolium showed a relevant antioxidant activity by the tested methods, and may be associated with the presence of phenolic compounds in its composition, in addition to being cytotoxic against the L929 fibroblast line.

Autores

  • Alexandra Débora Leite Borba
  • Michelly Rodrigues Pereira da Silva
  • Pedro Paulo Marcelino Neto
  • Caroline Leal Rodrigues Soares
  • Caio Cezar Oliveira de Lucena
  • Alícia Bezerra Martim da Silva
  • Bruno Oliveira de Veras
  • Marllon Alex Nascimento Santana
  • George Torres de Lima
  • Paula Andrielle Laurentino de Oliveira
  • Maria Érika da Silva Vilela
  • Teresinha Gonçalves da Silva