Visualizações

55

REIKI NO CUIDADO DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL

Desde 2017 o Reiki vem sendo incorporado no Sistema Único de Saúde, nos três níveis de atenção à saúde, como uma Prática Integrativa e Complementar. Sua utilização pode acarretar impacto positivo nas funções vitais e na atividade psicofisiológica do ser humano, especialmente daqueles que se encontram fragilizados por algum agravo à saúde. Assim, este capítulo objetiva refletir sobre a aplicação do Reiki no cuidado de Enfermagem ao recém-nascido em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. O período neonatal é a fase da vida compreendida desde o nascimento até o 28º dia pós-nascimento, sendo permeado por transformações anatômicas, fisiológicas, psicológicas, espirituais e sociais. Quando, por algum motivo, este recém-nascido não se adapta ao ambiente extrauterino e precisa de cuidados em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, o uso de práticas como o Reiki pode contribuir no restabelecimento da sua saúde. Ainda, a utilização dessa abordagem de cuidado pode auxiliar a amenizar os muitos fatores estressantes pelo qual o neonato fica exposto nesse tipo de ambiente. Assim, um cuidado sensível, solícito, empático e acolhedor, aliado à tecnologia, é fundamental para que os parâmetros de normalidade dos neonatos sejam estabilizados a partir do respeito das suas singularidades e particularidades. Nesse contexto, para além de ser uma terapia complementar sem restrições, o Reiki apresenta baixo custo e é de fácil acesso, e pode se configurar como importante aliado na promoção da saúde dos recém-nascidos, ampliando a diversidade do cuidar cotidiano às necessidades sensitivas, de carinho, aconchego e tranquilização desses seres. Portanto, a utilização do Reiki como estratégia de cuidado em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal consiste em medida cujo potencial deve ser valorizado e apreendido como factível ao se vislumbrar a atenção a indivíduos para os quais a sensação de bem-estar imbrica-se em subjetividades inerentes ao desenvolvimento de um recém-nascido.

REIKI NO CUIDADO DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL

DOI: 10.22533/at.ed.75420241123

Palavras chave: Cuidados de enfermagem; Terapias complementares; Reiki; Recém-nascido; Unidades de Terapia Intensiva Neonatal.

Keywords: Nursing Care; Complementary Therapies; Reiki; Newborn; Intensive Care Units, Neonatal.

Abstract:

Since 2017 Reiki has been incorporated into the Unified Health System, in the three levels of health care, as an integrative and complementary practice. its use can have a positive impact on the vital functions and psychophysiological activity of the human, especially those who are gragilized by some health problem. So, this chapter aims to reflect about the application of Reiki in nursing care to newborns in the Neonatal Intensive Care Unit. The neonatal period is the stage of life since birth from the 28th day after birth, being permeated by anatomical, physiological, psychological, spiritual and social transformations. When, for some reason, this newborn does not adapt to the extrauterine environment and needs care in a Neonatal Intensive Care Unit, the use of practices such as Reiki can contribute to the restoration of your health. In addition, the use of this care approach can help alleviate the many stressfull factors by which the newborn is exposed in this type of environment. So, a sensitive care, attentive, empathic, and welcoming, allied to technology, is fundamental for the normality parameters of neonates to be stabilized based on respect for their singularities and particularities. In this context, besides being a complementary therapy without restrictions, Reiki presents low cost and is easily accessible, and can be configured as an important ally in the promotion of the health of newborns, expanding the diversity of daily care to the sensitive needs, of affection, warmth and reassurance of these beings. Therefore, the use of Reiki as a strategy of care in a Neonatal Unit consists of a measure whose potential should be valued and apprehended as feasible when envisioning attention to individuals for whom the feeling of well-being is imbued with subjectivities inherent to the development of a newborn.

Autores

  • Eleine Maestri
  • Ana Paula da Rosa
  • Adriana Remião Luzardo
  • Joice Moreira Schmalfuss
  • Julia Valeria de Oliveira Vargas Bitencourt
  • Crhis Netto de Brum
  • Tassiana Potrich
  • Willian Lorentz