Visualizações

3

UM ESTUDO SOBRE A FLEXIBILIDADE MORAL DOS ALUNOS DE ADMINISTRAÇÃO

O presente artigo tem como objetivo identificar e analisar a percepção dos alunos do curso de Administração da UFRJ em relação a comportamentos imorais, como trapaça e fraude. Para tanto, oitenta e cinco alunos do curso, todos em atividades profissionais em administração como estagiário ou recém contratados responderam à questão: “Você acredita que as pessoas agem de forma diferente considerando o custo-benefício que determinadas situações possam lhe oferecer? Por quê?” Oitenta e nove porcento dos respondentes prontamente responderam que sim. Para os participantes a relação custo-benefício influencia muito a decisão de transgredir ou não uma norma/regra ou lei. Mas, alguns afirmam que essa transgressão pode ter um limite, regulado pela possibilidade de serem punidos e pela preocupação com sua imagem e autoimagem, corroborando com a teoria de “Margem da Manobra” de Ariely (2012). Os respondentes também destacaram o caráter individualista das pessoas, como fator determinante na decisão de fraudar / trapacear.  Por fim, foram unânimes em afirmar que as circunstâncias sociais influenciam, e para algumas pessoas determinam seus comportamentos sejam morais ou imorais.

UM ESTUDO SOBRE A FLEXIBILIDADE MORAL DOS ALUNOS DE ADMINISTRAÇÃO

DOI: 10.22533/at.ed.04720230914

Palavras chave: Flexibilidade Moral; Honestidade; Desonestidade; Ambivalência.

Keywords: Moral Flexibility; Honesty; Dishonesty; Ambivalence.

Abstract:

This article aims to identify and analyze the perception of students in the business course in relation to immoral behaviors, such as cheating and fraud. To this end, eighty-five students, all in professional activities in business as an intern or newly hired answered the question: “Do you believe that people act differently considering the cost-benefit that certain situations may offer you? Why?" Eighty-nine percent of respondents readily answered yes. For the participants, the cost-benefit ratio greatly influences the decision to transgress or not a rule / rule or law. But, some claim that this transgression may have a limit, regulated by the possibility of being punished and by the concern with their image and self-image, corroborating Ariely's theory of “Margin of Maneuver” (2012). Respondents also highlighted the individualistic character of people, as a determining factor in the decision to defraud / cheat. Finally, they were unanimous in stating that social circumstances influence, and for some people determine their behaviors, whether moral or immoral.

Autores

  • Maria Teresa Correia Coutinho
  • Vinicius Mothé Maia
  • Maira Costa Souza