Visualizações

10

HELICOPTER MONEY EM TEMPO DE COVID19 - Uma proposta para a mutualização do esforço financeiro em Portugal

Do ponto de vista económico, o mundo já viveu várias crises, mas nenhuma teve (ou terá) a magnitude desta. Em 1929, a superprodução pós-guerra levou ao crash da Bolsa de Nova Iorque e arrastou o mundo para uma crise global. Quase um século depois (2007), o mundo enfrentou de novo uma crise gigantesca e global, desta vez provocada pelo setor financeiro - a chamada crise do sub-prime. O denominador comum, foi a falência das empresas, o crescimento exponencial do desemprego e consequentemente a quebra do consumo e depressão económica. Os momentos que vivemos são desconhecidos para a ciência, pois o vírus COVID19 apanhou o mundo desprevenido; o futuro não nos permite definir uma data de fim, nem tão pouco as consequências últimas, em termos sanitários. Em contraponto, na economia os resultados são evidentes, sendo a sua dimensão proporcional ao tempo necessário para resolver a questão sanitária.  Os impactos (se os governos não utilizarem medidas económicas não convencionais) serão muito idênticos aos das duas crises descritas:  falência das empresas, o crescimento exponencial do desemprego e consequentemente a quebra do consumo e uma depressão sem precedentes. Enquanto os profissionais de saúde estão, neste momento, no ‘campo de batalha’ a tentar salvar vidas e resolver os problemas de saúde da população, os economistas devem-se concentrar e contribuir para o futuro dos países e do mundo, refletindo, pensando, criando e apresentando aos governos e populações estratégias para o futuro da economia. Este trabalho, surge na sequência das reflexões e debate dos autores acerca de quais os mecanismos não convencionais ou criativos que poderiam ser introduzidos nas políticas económico-financeiras para permitirem controlar os impactos previstos e, acima de tudo, possibilitar o relançamento das economias, em particular da economia portuguesa.

HELICOPTER MONEY EM TEMPO DE COVID19 - Uma proposta para a mutualização do esforço financeiro em Portugal

DOI: 10.22533/at.ed.05320150611

Palavras chave: Helicopter Money, Economia, COViD19, Portugal, Politica Monetária

Keywords: Helicopter Money, Economics, COVID19, Portugal, Monetary Policy

Abstract:

From an economic point of view, the world has already experienced several crises, but none had (or will have) the magnitude of ‘Covid19’. In 1929, post-war overproduction led to the crash of the New York Stock Exchange and dragged the world into a global crisis. Almost a century later (in 2007), the world faced again a gigantic and global crisis, this time caused by the financial sector - the so-called sub-prime crisis. The common denominator was the bankruptcy of companies, the exponential growth of unemployment and consequently the fall in consumption and economic depression. The moments we live in are unknown to science, as the virus COVID19 caught the world off guard; the future does not allow us to define an end date, nor the ultimate consequences, in terms of health. On the other hand, in the economy the results are clear and their size is proportional to the time needed to solve the health issue. The impacts (if governments do not use unconventional economic measures) will be very similar to those of the two described crises: bankruptcy of companies, the exponential growth of unemployment and consequently the fall in consumption and an unprecedented depression. While health professionals are currently on the “battlefield” to save lives and to solve the health problems of the population, economists must focus and share their visions regarding the future of the countries and the world, studying, thinking, creating and presenting to governments and populations strategies for the future of the economy. This work follows the studies and debate of the authors about which unconventional or creative mechanisms could be introduced in the economic-financial policies to allow to control the predicted impacts and, above all, to enable the relaunch of economies, in particular the Portuguese economy.

Autores

  • Diamantino Ribeiro
  • João Filipe Monteiro Ribeiro