Visualizações

129

IMPORTÂNCIA DO ACOMPANHAMENTO MULTIPROFISSIONAL PARA A AUTONOMIA DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN

A síndrome de Down (SD) é uma alteração genética considerada crônica causada por uma falha cromossômica que se relaciona por uma desordem (trissomia) do cromossomo 21. Os distúrbios fisiopatológicos mais característicos desta síndrome são cardiopatias congênitas, problemas respiratórios, visuais, auditivos, hipotireoidismo, distúrbios emocionais e de crescimento. Ademais, a maioria das crianças com SD possuem retardo mental moderado, passando pelas fases normais de desenvolvimento, porém, mais lentamente. Assim, essa patologia causa grandes efeitos no âmbito familiar, pois, requer adaptações aos cuidados especiais da criança, necessidades de apoio doméstico e informações essenciais de atenção especial. Dessa forma, o objetivo deste estudo busca demonstrar a importância das equipes multiprofissionais no cuidado à saúde da criança com Síndrome de Down, contribuindo para a autonomia do indivíduo e o restabelecimento do cuidado no grupo familiar. Para tanto, se realizou uma revisão sistematizada de literatura com buscas nas bases de dados: Scielo, PubMed, Medline e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), utilizando os descritores: Síndrome de Down; Cuidado da Criança; Multiprofissional e Autonomia Pessoal. Foram incluídos 44 estudos nacionais e internacionais, nos períodos de 2006 a 2019. Observou-se que o acompanhamento e o vínculo entre profissional-paciente, no momento em que se inicia a assistência multiprofissional, devem ser uma das relações mais importantes e acolhedoras, além disso, as assistências com atividades físicas, musicoterapia, fisioterapia, fonoaudiologia, nutricional, cinetoterapia e equoterapia, quando relacionado a métodos adequados destas especialidades, podem beneficiar na neurocognição destes indivíduos, trazendo assim resultados significativos. Contudo, essas terapêuticas configuram uma forma de ofertar aos pacientes chances concretas e apropriadas de promover o relacionamento e a interação com o ambiente nas mais diversas funções e autonomia e, ainda, proporcionar à família oportunidades para conviver, aprender e a enfrentar dificuldades diárias que essa anomalia pode causar. 

IMPORTÂNCIA DO ACOMPANHAMENTO MULTIPROFISSIONAL PARA A AUTONOMIA DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN

DOI: 10.22533/at.ed.29620300712

Palavras chave: Síndrome de Down; Multidisciplinar; Destreza Motora; Cuidado da Criança; Autonomia Pessoal

Keywords: Down Syndrome; Multidisciplinary; Motor Dexterity; Child Care; Personal Autonomy

Abstract:

Down syndrome (DS) is a genetic alteration considered chronic caused by a chromosomal failure that is related to a disorder (trisomy) of chromosome 21. The pathophysiological disorders most characteristic of this syndrome are congenital heart disease, respiratory, visual, hearing problems, hypothyroidism, emotional and growth disorders. In addition, most children with DS have moderate mental retardation, going through the normal stages of development, however, more slowly. Thus, this pathology causes great effects in the family environment, as it requires adaptations to the child's special care, needs for domestic support and essential information for special attention. Thus, the objective of this study seeks to demonstrate the importance of multiprofessional teams in health care for children with Down Syndrome, contributing to the individual's autonomy and the restoration of care in the family group. 43 national and international studies from 2006 to 2019 were included. It was observed that the monitoring and the bond between professional-patient, when multiprofessional assistance starts, should be one of the most important and welcoming relationships, in addition, assistance with physical activities, music therapy, physiotherapy, speech therapy, nutritional , kinetotherapy and hippotherapy, when related to appropriate methods of these specialties, can benefit in the neurocognition of these individuals, thus bringing significant results.  However, these therapies are a way of offering patients concrete and appropriate opportunities to promote relationships and interaction with the environment in the most diverse functions and autonomy, and also provide the family with opportunities to live, learn and face daily difficulties that this anomaly can cause.

Autores

  • Edmilson Pereira Barroso
  • Synara Suellen Lebre Félix
  • Priscila Bentes Sousa
  • Hana Lis Paiva de Souza
  • Jafet Ester Manaitá Brandão
  • Ylêdo Fernandes de Menezes Júnior
  • Anna Júlia Lebre Félix
  • Maria Júlia Enes Lebre Félix
  • Dina Larissa Fernandes Santarém
  • Dhafanny Aquilay Menez Acacio
  • Déborah Thaynná Pereira da Silva
  • Bruno Eduardo Pereira da Silva