A CAMPANHA DE ALFABETIZAÇÃO CUBANA (1961): UMA PROPOSTA DE ESCOLARIZAÇÃO POPULAR COMO PRÁTICA EMANCIPADORA

O objetivo principal desse trabalho de pesquisa foi analisar a campanha de alfabetização em Cuba, tendo como recorte temporal o período de 1959 a 1961 em que a educação exerceu sua função de resistência e emancipação. Para tanto foram utilizados os Manuais Alfabeticemos (1961a), Cumpliremos (1961b), a Cartilha Venceremos (1961b) e a Cartilha Producir-Ahorrar-Organizar (1961c). Os resultados obtidos a partir da Campanha de Alfabetização cubana permitem inferir que em Cuba, naquele período, o índice de analfabetismo caiu de 23,6% para 3,9%. O que configurou a pequena ilha como o primeiro território, declarado pela UNESCO, como livre de analfabetismo da América Latina.

A CAMPANHA DE ALFABETIZAÇÃO CUBANA (1961): UMA PROPOSTA DE ESCOLARIZAÇÃO POPULAR COMO PRÁTICA EMANCIPADORA

DOI: 10.22533/at.ed.2762013022

Palavras chave: 1. Educação e Estado – Brasil. 2. Educação – Aspectos sociais. 3. Educação – Inclusão social. I. Monteiro, Solange Aparecida de Souza.

Keywords: Cuba; Literacy; Emancipation; Conductors.

Abstract:

The main objective of this research work was to analyze the literacy campaign in Cuba, having as a temporal cut the period from 1959 to 1961 in which education exercised its function of resistance and emancipation. To this end, we used the Alfabeticemos (1961a), Cumpliremos (1961b), the Venceremos (1961b), and the Producir-Ahorrar-Organizer Primer (1961c). The results obtained from the Cuban Literacy Campaign allow us to infer that in Cuba, at that time, the illiteracy rate fell from 23.6% to 3.9%. This made the small island the first territory, declared by UNESCO, as free of illiteracy in Latin America.

Autores

  • Dayane de Freitas Colombo Rosa
  • José Joaquim Pereira Melo
  • Roseli Gall do Amaral da Silva